Para Ler Aos Trinta

This slideshow requires JavaScript.

 

Para Ler Aos Trinta, espetáculo realizado pela nova companhia teatral da diretora Nina Rosa Sá, o Projeto Z, estreiou no Festival de Curitiba de 2014. Com apresentações na programação do Coletivo de Pequenos Conteúdos. O texto é da dramaturga Lígia Souza Oliveira e o elenco traz a atriz Kelly Eshima e a atriz e vocalista da Banda Mais Bonita da Cidade Uyara Torrente. Ordenada em forma de ps’s, a montagem apresenta a trajetória de uma bailarina que escreve cartas para si mesma, só que no passado, numa tentativa poética de modificar o que aconteceu ou deixou de acontecer.

O texto se caracteriza por tratar de temas cotidianos e acessíveis, como o arrependimento e a nostalgia, de forma fragmentada e lacunar. As informações são soltas nesses “pequenos conselhos” que não são ordenados de maneira linear e nem sempre possuem ligação entre si, como numa espécie de conta-gotas de informação. Cada ps. é uma nova gota num oceano de dicas, vazias ou não, sobre a personagem. Sabe-se, por exemplo, que ela deixou pra trás um grande amor, que gosta de Ella Fitzgerald, que deveria ouvir o disco da Edith Piaf, que talvez tenha tido problemas físicos e por isso foi obrigada a parar de dançar e que viajou para diversos lugares. Entretanto, as explicações não estão explícitas. O texto não define os motivos pelos quais ela esteve em diferentes países, bem como não diz o que há no disco da Piaf que mudaria alguma de suas atitudes. “É curto, conciso, mas diz muita coisa. Demora muito tempo para você desvendar quem é essa pessoa que fala”, conta a diretora Nina Rosa Sá.

Para Nina, os caminhos de construção desta personagem são muitos e são moldados coletivamente na sala de ensaio. Segundo a diretora, foi necessário determinar os temas recorrentes para entender a importância de pontos chave como a história de amor e a relação com a dança. “Mais do que tentativas de modificar o passado, esses ps’s são uma espécie de testamento de todos os arrependimentos da personagem”, afirma a diretora.

Para Ler Aos Trinta é a primeira peça do Projeto Z, que surgiu com o objetivo de criar um espaço radical de colaboração, em que a pesquisa, tal como o personagem Zelig de Woody Allen – filme que inspirou o nome e o conceito da companhia; absorve características dos artistas convidados a participar de cada processo. Neste espetáculo, o trabalho de pesquisa da diretora, marcado pela busca de uma ligação entre arte, cultura pop e entretenimento, se alia à experiências pessoais e referenciais das atrizes. Trata-se de uma criação bastante horizontal na qual, além das questões pessoais do elenco, há também elementos de encenação propostos por toda a equipe. E toda as possibilidades da montagem valorizam e se norteiam pelo texto da dramaturga Ligia Souza Oliveira. As lacunas proporcionadas pela construção do texto são preenchidas com repetições, intertextos – criados pelas atrizes, e também com recursos de cultura pop, como músicas e vídeos, que servem como narradores, fundamentais para a construção da personagem e do espetáculo. “Gosto muito de usar vídeos em minhas montagens, além disso, a música também é um elemento muito forte na dramaturgia das minhas peças”, finaliza Nina.

Ficha técnica

Direção: Nina Rosa Sá
Elenco: Kelly Eshima, Uyara Torrente
Cenografia: Marja Calafange
Assistente de Cenografia: María A. Revelo-Imery
Dramaturgia: Lígia Souza Oliveira
Figurino: Kelly Eshima, Uyara Torrente
Iluminador: Ana Luiza Pires
Produção: Siciane Geruntho
Sonoplastia: Thiago Chaves
Still: Marja Calafange

Clipping

 

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s